O governo de Alvaro Dias no Paraná (1987-1991) investiu na formação de mais talentos que ampliassem o patrimônio estadual de conhecimento, tecnologia e criatividade, o que levou o estado a ingressar na década de 90 como um dos que mais investiram em educação e pesquisa no País.

Na ocasião, havia 42 mil estudantes frequentando, gratuitamente, as instituições de ensino superior mantidas pelo Estado.

Alvaro Dias foi responsável por instituir a gratuidade do ensino nas universidades estaduais do Paraná, o que ele classificou como “um dos atos mais gratificantes que pratiquei como governador”. “Sempre me emociono ao encontrar especialmente país que afirmam as vezes com lágrimas nos olhos: ‘Se não fosse você, meu filho não seria doutor’”, lembra Alvaro Dias.

A lei estadual 8.675, que previa a gratuidade, foi assinada por Alvaro Dias no dia 21 de dezembro de 1987. Graças ao ato, milhares de jovens se formam todos os anos, desde 1988, em universidades que promovem o desenvolvimento descentralizado do Paraná, já que se encontram nas mais diversas regiões do Estado.

Além de instituir a universidade gratuita, o governo Alvaro Dias realizou importantes obras de ampliação em todas as unidades estaduais de ensino superior e iniciou a implantação de duas novas Universidades: a Unioeste e a Unicentro.

Em quatro anos da gestão Alvaro Dias, quatro universidades e dez faculdades isoladas dobraram de tamanho em área construída. Foi construído um campus inteiro, o Campus de Uvaranas, na Universidade de Ponta Grossa, e mais 168.000 m2 em instituições de ensino superior do Paraná. Foi a primeira vez, desde a fundação das Universidades, que o Estado investiu em construções no ensino superior. Só na UEM foram construídos 28.000 m2.

Os professores de dez instituições de ensino superior entre elas a Unioeste e a Unicentro não contavam com plano de carreira, eram horistas. Como governador, Alvaro Dias implantou planos de carreira em todas instituições de ensino superior.

Em quatro anos da gestão de Alvaro Dias, os recursos garantidos ao fomento da pesquisa no Paraná foram quatro vezes superior à média brasileira. Com isso, o Paraná chegou à autossuficiência na produção de vacina tríplice, por exemplo.

O Instituto de Tecnologia do Paraná foi equipado para produzir 35 milhões de doses por ano. Investimentos estes feitos pelo governo Alvaro Dias com a certeza de que o desenvolvimento em ciência e tecnologia, aliado ao ensino superior gratuito e altamente qualificado, são fundamentais para promover a melhora da qualidade de vida da população do Paraná. Merece destaque, ainda, a criação e implantação do Programa Qualidade Paraná, que difundiu tecnologia para as empresas paranaenses.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, deixe seu nome aqui