A Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou nesta quarta-feira (29/09) o projeto que muda a Lei de Improbidade Administrativa em votação simbólica, quando não há contagem de votos. A matéria agora vai para o plenário da Casa. O senador Alvaro Dias, apesar de elogiar o esforço feito pelo relator, senador Weverton, que modificou diversos pontos de seu parecer, votou contra a proposição, assim como os senadores do Podemos Jorge Kajuru e Lasier Martins.

Além de destacar o trabalho competente feito pelo senador Weverton, relator do PL 2.505/2021, Alvaro Dias salientou a importância da realização de audiência pública que permitiu a apresentação de sugestões importantes da parte, especialmente, da sociedade civil e do Ministério Público.

“Meus cumprimentos ao senador Antonio Anastasia, que conduziu com maestria a audiência pública na CCJ, que possibilitou ao relator, senador Weverton, recolher opiniões, sugestões e ideias a respeito das alterações na Lei de Improbidade Administrativa. Quero, também, destacar a importância da participação da sociedade civil nesse debate. Aqueles que, sem mandato eletivo, dispõem-se a esse trabalho, como nós verificamos, e eu cito o Procurador Roberto Livianu, incansável Presidente do Instituto Não Aceito Corrupção, e outros que aqui estiveram, como o Dr. Herman Benjamin, Ministro do STJ, que é um especialista na matéria e se dispôs a participar conosco, participando, durante horas, dessa audiência pública. A Transparência Brasil, que esteve conosco, e aqueles que foram convidados, também, do Senador Weverton. Portanto, o nosso agradecimento pela realização dessa audiência pública”, disse o senador Alvaro Dias.

Após a audiência pública requerida pelo senador Alvaro Dias e diversas reuniões e conversas com parlamentares e membros da sociedade civil, o senador Weverton promoveu diversas alterações em seu relatório ao projeto que modifica dispositivos da Lei 8.429, de 1992, que possibilitaram a aprovação da matéria na CCJ. O vice-presidente da CCJ, senador Antonio Anastasia, afirmou que a audiência pública foi o “start” para realizar o acordo, que, segundo ele, tem pontos positivos e negativos.

Apesar de ter declarado seu voto contrário, o senador Alvaro Dias elogiou as mudanças feitas no parecer do relator, e disse ainda ter a expectativa de o texto evoluir para uma deliberação favorável em Plenário.

“O senador Weverton, como um ourives competente, vem lapidando o projeto proveniente da Câmara. Desacreditávamos de um acordo e nos foram apresentados sete pontos revistos, que temos de reconhecer. Queremos mais um avanço importante. Imaginávamos um projeto que incluísse também três pontos: com relação a punição para os casos de culpa grave ou grosseiros, com relação as condutas previstas no rol do artigo 11 da LIA, e em relação a transcrição intercorrente. Temos esperança que esse último possa ser resolvido em acordo com as lideranças da Câmara”, afirmou Alvaro Dias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Por favor, deixe seu nome aqui